Adolescência e alimentação

Alimentação de jovens deve ser saudável e sem exageros

A grande oferta de alimentos industrializados é um vilão para a saúde e atinge os adolescentes com frequência, pois geralmente eles gostam de comer “bobagens” e estão na fase de maior gasto de energia para o desenvolvimento.

“Todas as vitaminas são essenciais nessa fase, mas a Vitamina D assume o protagonismo com a função de deposição do cálcio na matriz óssea, fator importantíssimo para o desenvolvimento e prevenção de osteoporose no futuro. Vale lembrar que a aquisição do Cálcio na matriz óssea para toda a vida ocorre primordialmente na adolescência”, afirma a médica pediatra/hebiatra do Iamspe Dra. Silvana Vertematti, especializada em adolescentes. 

Ela explica que comer salgadinhos e fast food não é recomendado, pois alimentos industrializados são ricos em gorduras saturadas, açúcar e sódio, principais causadores de condições clínicas crônicas/ degenerativas como a diabetes, obesidade e hipertensão arterial.

Proibir estes alimentos também não é o ideal, diz a especialista, pois pode levar ao efeito oposto. “Deve ser usada sempre a boa composição dos alimentos – proteínas, carboidratos, gorduras de boa qualidade, cálcio e vitaminas (verduras, legumes e frutas)”.

A médica esclarece que evitar os excessos também é importante. O certo é organizar 5 refeições diárias com alimentos saudáveis no café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Utilizar ainda açúcares e farinhas integrais de boa qualidade.   

A Organização Mundial de Saúde recomenda que o adolescente aprenda ter uma educação alimentar. O jovem deve entender sobre a qualidade  e quantidade dos alimentos, bem como conscientização sobre o risco dos alimentos industrializados e fast food. Também deve conhecer as cozinhas experimentais, que exercita um pouco a preparação de alimentos saudáveis, porque muitas vezes o consumo inadequado está relacionado ao difícil acesso aos alimentos saudáveis. Nesse contexto a participação familiar é importante, porque o adulto é responsável por comprar e levar os itens para casa. 

A Dra. Silvana esclarece que o jovem deve ter consultas de rotina com o pediatra e caso haja o quadro de sobrepeso, o tratamento deve ser acompanhado pelo jovem e a família de forma consciente.