Seguras, vacinas contra Covid-19 reduzem internações e mortes

Secretaria da Saúde reforça a importância da vacinação para a população

O Brasil dispõe hoje de duas vacinas para imunização contra a Covid-19: Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, e Oxford/AstraZeneca, elaborada na Fio Cruz. Ambas possuem resultado satisfatório no combate à doença e partem do mesmo princípio, o qual introduz no organismo um vetor viral para que o corpo reconheça e produza anticorpos contra o vírus causador da Covid-19. Sendo assim, essas vacinas não multiplicam o vírus no corpo.  

Embora a imprensa internacional tenha noticiado casos de trombose em pessoas que foram vacinadas com o imunizante Oxford/AstraZeneca, não há comprovação da relação de trombose com a administração da vacina. Tais casos deflagraram investigações detalhadas por parte de agências regulatórias da Europa e do Reino Unido.  

Balanço feito até o último 22 de abril mostram que, apenas no Estado de São Paulo, foram aplicadas 1.590.694 doses da vacina Oxford/AstraZeneca/Fiocruz, sem notificação de casos de tromboses. A informação consta em levantamento realizado pelo Centro de Vigilância Epidemiológica e Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria da Saúde de São Paulo com base nas notificações no VaciVida.  

A vacina AstraZeneca se mostrou efetiva na prevenção de hospitalizações e mortes associadas à COVID-19 no quadro atual e recebeu parecer favorável da Organização Mundial de Saúde, a Agência Européia de Medicamentos (EMA) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Vacinação Gripe X Covid-19

 “Se a pessoa tomou a primeira dose da vacina contra Covid-19 deve priorizar a aplicação da segunda dose no tempo determinado pelo fabricante. Sempre é preciso seguir o intervalo de 15 dias entre as duas doses”, reforça a médica.    

A vacinação contra a gripe ocorre tradicionalmente nos meses que antecedem o inverno por conta da sazonalidade do vírus influenza nas duas estações mais frias do ano. A imunização contra gripe é também muito importante porque evita complicações da doença como problemas respiratórios que podem levar à internação. 

No caso da Covid 19, não é possível falar em sazonalidade. O número de casos não apresenta relação com a época do ano e sim com o comportamento da população e aparecimento de novas cepas com maior capacidade de transmissão.