Vacinação contra a Covid-19: crianças de 5 a 11 anos já podem receber primeira dose

Vacinação contra a Covid-19: crianças de 5 a 11 anos já podem receber primeira dose

O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (Iamspe) disponibiliza a primeira dose da vacina contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos, seguindo o calendário de imunização da Secretaria de Saúde de São Paulo

As salas de vacina do Posto de Vacinação do Iamspe funcionam das 8h às 17h e ficam no Prédio da Integralidade na Avenida Ibirapuera, 1215, sendo esse acesso liberado somente para pedestres (o sistema drive-thru está desativado)

No ato da vacinação, os pais ou responsáveis devem apresentar o Cartão SUS ou número do cartão, documento oficial com foto e carteirinha de vacinação da criança, além do comprovante de endereço do município de São Paulo no nome do adulto.

Atenção: O Posto de vacinação do Iamspe abriu xepa para crianças de 5 a 11 anos sem comorbidades. Pais ou responsáveis podem inscrever seus filhos de segunda a sexta-feira até as 17h.

Confira abaixo como está o calendário de imunização, de acordo com o Governo do Estado de SP:

– Primeira Dose: Crianças de 5 a 11 anos sem comorbidade – necessário apresentar: documento de identificação e comprovante de endereço do município de São Paulo no nome dos responsáveis da criança.
– Primeira Dose: Crianças de 5 a 11 anos com qualquer tipo de comorbidade, deficiência permanente (física, sensorial ou intelectual)  – necessário apresentar: documento de identificação, comprovante de condição de risco dentro da validade de dois anos com a identificação do paciente e CRM do médico, carteirinha de vacinação e comprovante de endereço do município de São Paulo no nome dos responsáveis da criança.

Veja quem se enquadra no grupo de crianças com deficiência permanente:

– Paciente com limitação motora que cause grande dificuldade ou incapacidade para andar ou subir escadas;
– Paciente com grande dificuldade ou incapacidade de ouvir mesmo com uso de aparelho auditivo;
– Paciente com baixa visão ou cegueira. (considera-se baixa visão ou visão subnormal, quando o valor da acuidade visual corrigida no melhor olho é menor do que 0,3 e maior ou igual a 0,05 ou seu campo visual é menor do que 20º no melhor olho com a melhor correção óptica (categorias 1 e 2 de graus de comprometimento visual do CID 10) e considera-se cegueira quando esses valores encontram-se abaixo de 0,05 ou o campo visual menor do que 10º (categorias 3,4 e5 do CID 10);
– Paciente com alguma deficiência intelectual permanente que limite as suas atividades habituais.

–Dose de reforço: Pessoas com alto grau de imunossupressão com mais de 18 anos. Para a primeira dose, é preciso que o paciente tenha tomado a última dose do esquema vacinal há pelo menos 28 dias, independentemente do imunizante aplicado. Já para a segunda dose de reforço, o intervalo é de quatro meses – necessário apresentar: documento de identificação, comprovante de vacinação físico ou digital e comprovante de condição de risco dentro da validade de dois anos com a identificação do paciente e CRM do médico.

Veja quem se enquadra no grupo de pessoas com alto grau de imunossupressão:  

– Pacientes com Imunodeficiência primária grave;
– Pacientes em tratamento quimioterápico contra o câncer;
– Transplantados de órgão sólido ou de células-troncos hematopoiéticas (TCTH) em uso de drogas imunossupressoras;
– Pacientes vivendo com HIV/Aids
– Pacientes que fazem uso de corticóides em doses ≥20 mg/dia de prednisona, ou equivalente, por ≥14 dias;
– Pacientes que fazem uso de drogas modificadoras da resposta imune, como Metotrexato, Leflunomida, Micofenolato de mofetila, Azatiprina,
Ciclofosfamida, Ciclosporina, Tacrolimus, 6-mercaptopurina, Biológicos em geral (infliximabe, etanercept, humira, adalimumabe,
tocilizumabe, Canakinumabe, golimumabe, certolizumabe, abatacepte, Secukinumabe, ustekinumabe); Inibidores da JAK
(Tofacitinibe, baracitinibe e Upadacitinibe);
– Pacientes com doenças autoinflamatórias, doenças intestinais inflamatórias;
– Pacientes em terapia renal substitutiva (hemodiálise);
– Pacientes com doenças imunomediadas inflamatórias crônicas.

Atenção às novas regras para viajantes

– Os vacinados com a primeira dose da vacina AstraZeneca podem antecipar a segunda dose contando que tenha um intervalo mínimo de 28 dias (4 semanas).

– Viajantes que foram imunizados com a primeira dose da Sinovac contra covid-19 e não completaram a série primária duas doses da vacina poderão antecipar a segunda dose com outro imunizante desde que respeite o intervalo mínimo de 21 dias para a vacina da Pfizer e 28 dias para a vacina AstraZeneca.

– Viajantes que tenham como destino países cujos órgãos regulatórios não incluíram o imunizante Sinovac até o momento na sua lista de vacinas autorizadas poderão receber uma terceira dose de outro imunizante aceito pelo país de destino, desde que respeite o intervalo mínimo de 28 dias da data da administração da segunda dose.